quinta-feira, outubro 30, 2008

O Amor

quinta-feira, outubro 30, 2008

Temos a mania de achar que amor é algo que se busca...
Buscamos o amor nos bares, na parada de ônibus.
Como num jogo de econde-esconde, procuramos pelo amor que está oculto dentro das boates, nas salas de aula, nas platéias dos teatros.
Ele certamente está por ali, você quase pode sentir seu cheiro... precisa apenas descobri-lo e agarrá-lo o mais rápido possível, pois só o amor constrói, só o amor salva, só o amor traz felicidade...
Há quem acredite que o amor é medicamento. Pelo contrário. Se você está deprimida, histérica ou ansiosa demais, o amor não se aproxima, e, caso o faça, vai frustrar sua expectativa, porque o amor quer ser recebido com saúde e leveza. Ele não suporta a idéia de ser ingerido de quatro em quatro horas, como um antibiótico para combater as bactérias da solidão e da falta de auto-estima.
Você já ouviu muitas vezes alguém dizer: "quando eu menos esperava, quando eu havia desistido de procurar, o amor apareceu".
Claro, o amor não é bobo, quer ser bem tratado, por isso escolhe as pessoas que, antes de tudo, tratam bem de si mesmas.
O amor, ao contrário do que se pensa, não tem de vir antes de tudo. Antes de se estabilizar a carreira profissional, antes de fazer amigos, de viajar pelo mundo, de curtir a vida. Ele não é uma garantia de que, a partir do seu surgimento, tudo o mais dará certo.
Queremos o amor como pré-requisito para o sucesso nos outros setores, quando, na verdade, o amor espera primeiro você ser feliz para, só então,surgir, sem máscara e sem fantasia. É esta a condição.
É pegar ou largar. Para quem acha que isto é chantagem, arrisco-me a sair em defesa do amor: ser feliz é uma exigência razoável e não é tarefa tão complicada. Felizes são aqueles que aprendem a administrar seus conflitos, que aceitam suas oscilações de humor, que dão o melhor de si e não se autoflagelam por causa dos erros que cometem. Felicidade é serenidade. Não tem nada a ver com piscinas, carros e - muito menos - com príncipes encantados.
O amor é o prêmio para quem relaxa.
As pessoas ficam procurando o amor como solução para todos os seus problemas quando, na realidade, o amor é a recompensa por se ter resolvido os próprios problemas...



"Nada é o bastante para quem considera pouco o que é suficiente" .
P.S.: To tentando criar um selinho, este aí em cima para passar pra minhas amigas...... mas tá difícil, mas irei conseguir.

5 Morderam a maçã:

Celma disse...

Miche.coli vc tem muito tempo, heín. FUNCIONARIA PUPLICA.
depois vou ler tudinho com muito carinho.
Gosto muitooooooooooo de vc!
Bjssssssssssss
Celminha

Mulherzinha Sim! disse...

Que lindo!
E pior que é assim mesmo: quando menos se espera, o amor vem e se instala.


Beijos

♥Thályta Kutcher♥ disse...

Pura verdade...e o que vc escreveu mts pessoas sabem o problema é que insistem em procurá-lo..Madrasta vc pode ser mas má..acho quenão! vc tem uma leveza para escrever que putz! parabéns!!! bjinhosss e parabéns pelo blog ele é show!
♥Thályta Kutcher♥
http://morewomen.blogspot.com

Ernani Netto disse...

E não que é verdade?!?!?!?!

Ele vem, se instala, rouba seu coração, domina seus pensamentos, e mesmo estando longe te faz um bem inexplicável!

Bjaum

bsalgada disse...

Que mensagem cheia de verdades. Eu já briguei muito entre me cuidar e me deixar de lado porque alguém precisava mais de mim que eu mesma, hoje vejo que em nenhuma hipótese existe a desculpa para uma mulher se largar de lado.
Se ela se larga, todos a largam também.
Tem toda razão, o amor escolhe quem se trata bem. A Madrasta é muito sábia, rs...

Blog Widget by LinkWithin
 
A Madrasta Má © 2009. Template by Sweet Martini